Imprensa / Notícias do Setor / Notícias do setor

06/10/2016



A AGILIDADE DOS MALLS PARA APROVEITAR A MODA POKEMON


A febre Pokemon está começando a amainar, mas alguns malls pelo País foram ágeis formatando ações enquanto a moda estava no auge; saiba como isso foi possível  

Por Ticiana Werneck



 

O jogo Pokemon Go, que virou mania mundial, desembarcou no Brasil dia 3 de agosto e rapidamente ganhou milhares de adeptos aqui – não há números confiáveis de usuários brasileiros, mas calcula-se o app somava 50 milhões de usuários totais 24 horas depois da entrada no País.


O aumento da procura por artigos relacionados à animação japonesa foi imediato, assim como a troca de informações e dicas para ter uma melhor performance no recém-lançado jogo.


Quarenta dias depois, o Boulevard Shopping Brasília inaugurava uma ação envolvendo o jogo, um espaço temático preparado especialmente para receber os jogadores tornando a experiência do jogo mais real. Na mesma época, o Tietê Plaza Shopping inaugurou uma arena, com espaço para trocas de cards e batalhas; o Bangu Shopping realizou um encontro de jogadores, o Mais Shopping organizou torneios, e criou um espaço com monitores.


Outros malls surfaram na mesma onda, criando chamarizes parecidos usando o tema Pokemon ou o próprio jogo Pokemon Go. Ficou clara a busca por agilidade dos empreendimentos em acompanhar a novidade e criar ações ligadas a ela para estar na mesma sintonia dos frequentadores. 


Agora, dois meses após seu lançamento toda a euforia em relação ao jogo parece ter amainado: dados da agência de notícias Bloomberg dão conta que após o pico do início, o game já perdeu 15 milhões de usuários. Isso mostra a necessidade de ser rápido para aproveitar um modismo como esse. Ou seja, quem criou ações relativas ao game surfou a onda, quem demorou, se arriscou a criar uma ação com baixa relevância.

 

Com esse pano de fundo, fomos à campo ouvir alguns malls que criaram ações com o game. Luana Peixoto, gerente de marketing do Boulevard Shopping Brasília conta que desde o lançamento do jogo no Brasil, percebeu uma grande frequência de jogadores no mall, havendo assim a necessidade de uma atenção especial com este cliente, no sentido de proporcionar uma experiência mais tangível e aproximá-lo do universo do jogo.


O Boulevard Shopping Brasília, como a maioria, segue um cronograma de ações para o ano, mas ele não é engessado. “Ainda que norteados por um planejamento anual, o grande desafio de nossa equipe está em acompanhar o cenário em que o mercado se movimenta e se transforma, criando novas atividades, atendendo os anseios dos nossos clientes”, conta ela.


Como tudo era muito novo, Luana conta que o primeiro passo foi realmente entender como o jogo funcionava. Para isso, a equipe baixou o aplicativo e começou a jogar. “Alguns colaboradores baixaram o aplicativo e iniciaram sua jogatina diária. Com dez dias de jogo, já foi possível pensar em possibilidades para interagir com o cliente”, conta ela, que continua: “Iniciamos o engajamento por meio da publicação de prints dos Pokémon que apareciam em nosso shopping para atrair o cliente à caça”.


Na mesma semana, a equipe desenhou o projeto de espaço exclusivo para atender a este cliente e melhorar a performance do jogo no mall. Para isto, a equipe realizou alterações na estrutura de um dos lounges, com decoração inspirada em elementos presentes no jogo. No PokéLounge o cliente podia usufruir de um espaço criado especialmente para ele, onde interagia com outros jogadores, tinha acesso a tomadas para recarga de seus aparelhos, caixas de acesso USB e desfrutava de serviço de wi-fi, o que prolongava sua jornada no jogo e no shopping.


Segundo Luana, o fluxo aumentou bastante. “Dada a diversidade do público usuário do jogo, havendo de crianças a adultos, a ação promoveu o envolvimento do Boulevard Shopping Brasília com um público variado, o que é muito importante para o empreendimento. Também atraiu novos públicos, promovendo experiências que nos aproximam de nosso cliente, sua realidade e rotina”, comenta.

 

No Mais Shopping, a ação de entretenimento ligado ao tema Pokemon aumentou em 10% o fluxo nos finais de semana. Segundo Natalia Marchioro, coordenadora de marketing do mall, criar ações com temas que estão na moda aumenta a atratividade. “Já fizemos, similarmente, ações com Carrossel, Chaves, entre outras. Todas elas são interessantes pois acabam atraindo os clientes pelo tema”, diz.

 

Para Aline Laurenti, gerente de marketing do Shopping Mestre Álvaro (ES), “o shopping é também local para as pessoas se atualizarem e terem contato com as novidades, sejam elas no campo da moda ou da tecnologia, por isso estar atento e preparado para ser inovador é essencial”.

 

Antes mesmo do lançamento do Pokemon Go no Brasil, o Shopping Mestre Álvaro já estava estudando o game e preparado para interagir com o público. “Nosso público já espera isso de nós. Assim que o jogo foi lançado, vimos que o mall era um PokeStop, o que possibilitou promovermos mais ações, como encontros para caça e ativação de Pokelure”, conta.

 

Além do benefício de aumentar o fluxo e as opções de entretenimento no shopping, Aline inclui outra vantagem atribuída a este tipo de ação Pokemon. “É mais uma oportunidade para nos aproximar do público, especialmente do público mais jovem tão conectado ao mundo online”.