Abrasce

APRESENTAÇÃO


APRESENTAçãO

SOBRE A ABRASCE

Fundada há 40 anos, a Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers) atua para fortalecer o desenvolvimento do setor, defender os interesses de seus associados e colaborar para a disseminação de dados e levantamentos de mercado. Com mais de 400 associados, a entidade promove encontros, eventos e cursos para garantir a qualidade nos serviços prestados pelos empreendimentos e discutir tendências do setor.


 CENÁRIO 

 Os shopping centers já não são mais apenas locais de compras, eles se tornaram centros de lazer e entretenimento. Essa tendência visa a atrair ainda mais os consumidores para os empreendimentos, que faturaram R$157,9 bilhões em 2016, segundo a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce). A entidade realiza todo ano o Censo Abrasce, pesquisa detalhada sobre o setor, que conta com a participação dos mais de 500 shoppings em operação no país.

Mesmo em meio a um cenário econômico adverso em que, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o varejo nacional teve redução de 6,5% no número de vendas até outubro de 2016, a indústria de Shopping Centers cresceu 4,26%. “Assim como outros setores, sentimos o impacto da crise no fluxo de visitantes, que teve redução de 1,26%, em relação a 2015. Porém, o balanço positivo reflete a mudança no comportamento do consumidor, que tem visitado os empreendimentos já disposto a gastar uma determinada quantia”, ressalta Glauco Humai, presidente da Abrasce.

Além disso, o executivo afirma que a adaptação dos centros de compras ao momento atual tem atraído a atenção do público. “A arquitetura e a estética são diferenciais para os consumidores. Muitos empreendimentos têm investido em áreas verdes e espaços abertos. É uma preocupação constante manter o centro vivo e atual a fim de atender ao desejo dos visitantes. Por isso, o setor passa sempre por revitalizações, expansões e renovações de mix de lojas. Seguir tendências e revitalizar espaços são medidas necessárias para ganhar competitividade”, analisa Humai.

 

RETOMADA DO SETOR

A indústria de Shopping Centers representa 2,57% do PIB, o que reflete no número de empregos no setor. Somente na região Centro-Oeste foram registrados 100 mil novos postos de trabalho, crescimento de 5,1% em relação a 2015. No total, os shopping centers brasileiros empregam diretamente 1.016.428 pessoas.

 Em 2016, foram inaugurados 20 empreendimentos, 3,7% a mais do que no ano anterior. No total, são 558 shoppings em operação no Brasil e a expectativa é que, até o final de 2017, o país conte com mais 30 novos malls. A área bruta locável (ABL) alcançou os 15,2 milhões de metros quadrados dedicados às lojas e serviços. O número de lojas também cresceu e somam 99.990 unidades.

Por concentrar 54% do total de shopping centers, a região Sudeste foi a que mais faturou em 2016, com R$91,9 bilhões. Já a região do país que mais cresceu foi o Sul. Juntos, os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná viram as vendas aumentarem 5,84% e possuem 93 empreendimentos. “É inegável o potencial econômico do Sul e Sudeste, porém as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste chamam atenção em outros aspectos, como a oferta de empregos e a possibilidade de expansão dos shoppings”, comenta o presidente da Abrasce.

 

PERSPECTIVAS 2017

OUTLET

Tornar a visita ao shopping center uma experiência única e totalmente satisfatória é uma vertente que está em evidência no setor. “O crescimento de empreendimentos especializados confirma esta tendência. Os Outlets, por exemplo, já representam 17% deste mercado”, reforça o presidente da entidade. Outro fator que impulsionou o aumento de vendas neste segmento é a alta dólar, que retraiu as viagens ao exterior. “A principal característica desse tipo de shopping é a oferta de preços menores que os praticados pelo mercado. Os brasileiros estão cada vez mais adquirindo produtos internacionais e encontram nos Outlets uma alternativa para o consumo de suas marcas preferidas”, explica Glauco Humai.

 Atualmente, são 11 Outlets e a expectativa é que sejam inaugurados cinco novos empreendimentos até 2020, contribuindo para o crescimento de, pelo menos, 40% no número de vendas deste segmento.


FORA DAS CAPITAIS

O movimento de novos empreendimentos fora das capitais brasileiras tem se intensificado nos últimos anos. Em 2016, dos 20 novos shoppings, apenas sete estavam localizados em capitais. “Cidades das regiões metropolitanas e do interior dos estados estão se desenvolvendo em grande velocidade e atraindo a atenção de empresas”, ressalta o presidente da Abrasce. Outro fenômeno recorrente são municípios que recebem o primeiro shopping center. Nos últimos seis anos, 56 cidades debutaram na indústria de Shopping Center.


SEJA UM ASSOCIADO