Imprensa / Notícias do Setor / Notícias do setor

31/03/2017



OS SHOPPINGS E SEU PODER DE INFLUÊNCIA NO ENTORNO


Ao se instalar, um shopping transforma para melhor o ambiente à sua volta. Melhorias viárias, novos empregos, mais opções de entretenimento, compras e serviços são alguns exemplos. Conheça as histórias de quatro malls e seus impactos para a revitalização da área do entorno


Por Ticiana Werneck, da Abrasce


Em outubro de 2014, ao se instalar, o Shopping Rio Mar Fortaleza deu uma cara totalmente nova ao seu entorno. Além das obras viárias (11 quilômetros de ruas alargadas, viaduto, túnel, novas calçadas e iluminação), o mall promoveu a revitalização da Lagoa Papicu: o local foi cercado como forma de proteção à fauna e à flora existentes. Em diversos pontos do bairro foram plantadas 2.500 mudas de árvores. No total, o Grupo JCPM, acionista do shopping, investiu R$40 milhões em intervenções no bairro.

Para o Jornal O Estado, João Carlos Paes Mendonça, presidente do Grupo JCPM, deu a seguinte declaração: “Investimos esse valor para restaurar todas as vias que dão acesso ao shopping. Fizemos melhorias nas vias e iluminação, beneficiando a circulação com um viaduto, um túnel, transferência de moradores que residiam em condições precárias para locais regularizados e assim estamos ajudando a gerar o desenvolvimento do entorno. É bom para o empreendimento e para a sociedade”.

O impacto de um mall para seu entorno é claro. Benfeitorias e geração de emprego para os moradores da redondeza são benefícios imediatos, mas há muitos outros. Veja o exemplo do novaiorquino Westfield WTC, construído dentro do terminal de trem e metrô atingido pelos ataques terroristas de onze de setembro. Sua inauguração, no ano passado, simbolizou o renascimento da região, e toda a sua arquitetura faz alusão a um pássaro libertado das mãos de uma criança.

A mesma Westfield é responsável também pelo Stratford City, inaugurado em setembro de 2011, que ajudou a revitalizar a área leste de Londres. Ele é considerado o maior mall da Europa e trouxe uma série de transformações para a localidade, como novas áreas residenciais. “O shopping atua como um centro da cidade. Ele foi desenvolvido de maneira integrada, com fácil acesso tanto para usuários do transporte público, pessoas que visitam o local de carro e para os pedestres”, comentou na época o COO (Chief Operating Officer) do Grupo Westifield, Peter Huddle.

Na França, o Docks 76, desenvolvido pela Unibail Rodamco, na cidade de Rouen, foi construído onde antes havia uma grande doca. Na beira do Sena, ele tirou proveito disso, usando diversos ícones do universo naval em seu projeto arquitetônico – como farol, escotilhas e âncoras. O mall também foi responsável pela revitalização da área do entorno.

Revitalização parece ser a palavra de ordem e por aqui não é diferente. A Saga Malls anunciou que até 2019 inaugura um shopping no centro do Rio de Janeiro. O empreendimento faz parte de um projeto de modernização de infraestrutura e revitalização urbana da região do entorno da estação Central do Brasil, que será chamado de Porto Maravilha e irá englobar também torres comerciais – a expectativa é que a iniciativa gere uma população residente de 300 mil pessoas.

Para colher outras histórias como essa, o Portal Abrasce conversou com quatro shopping centers brasileiros que se instalaram em regiões carentes de novidades e deram uma “nova cara” à região.

 


BH Shopping (MG)

Esse foi o primeiro shopping de Minas Gerais, inaugurado há 37 anos em uma região da cidade de Belo Horizonte constituída apenas por sítios, fazendas e lotes vagos. Renato Tavares, gerente de marketing do mall, lembra que apenas um pequeno conjunto de casas rodeava o local. “Não havia praticamente iluminação e o principal acesso era uma rodovia (BR 356), sem nenhuma opção de entretenimento ou compras no local”, conta Tavares.

A chegada do shopping provocou uma revolução na área e, a partir daí, ele se tornou o principal vetor de crescimento da cidade. Foram surgindo prédios residenciais, comércio e, em um segundo momento, várias empresas e serviços migraram para a região. “Em pouco mais de 30 anos, o Belvedere, bairro onde está localizado o BH Shopping, se tornou um dos melhores bairros da cidade, com público qualificado, opções de lazer, comércio e serviços”, diz ele.

Para o gerente de marketing é inegável que o mall deu uma cara nova à cidade. “A vinda do BH Shopping para a região foi propulsora do crescimento de toda uma região. O bairro cresceu e se formou ao redor do shopping e continua se desenvolvendo até hoje com a construção de novos condomínios, edifícios comerciais e residenciais”, diz ele.


 

Shopping Pátio Alcântara (RJ)

“Antes da chegada do shopping, havia, no local, uma praça pública abandonada e tomada por moradores de rua. Não havia opção de entretenimento e cultura na região, fazendo com que os moradores se deslocassem para bairros vizinhos”, lembra Michele Coutinho, coordenadora de marketing do Shopping Pátio Alcântara. O mall criou várias vagas de empregos, além de oferecer entretenimento e cultura através de sua programação.

Inaugurado em 2013 no coração de São Gonçalo, no estado do Rio de Janeiro, o mall mexeu com a população. No início, tamanha a novidade, as pessoas tinham um pouco de receio de entrar, por se tratar de um shopping em uma região tradicional de comércio popular. “Os passantes achavam que tudo seria mais caro. Muitos nunca tinham andado de escada rolante ou elevador panorâmico”, comenta Michele. Hoje ela estima que o mall receba 30 mil visitas por dia. 

Atualmente, o empreendimento é composto por quatro andares, um terraço panorâmico, 57 lojas e ainda agrega um terminal rodoviário. “Sua arquitetura moderna integra o shopping com o calçadão de comércio popular e o terminal rodoviário, fazendo uma conexão segura e confortável para quem precisa se deslocar”, diz ela.


 

Partage Shopping Rio Grande (RS)

Michelle Rossentini, gerente de marketing do mall instalado na cidade de Rio Grande, no Rio Grande do Sul, conta que na área em que hoje está instalado não havia nada: “Era realmente uma área rural vazia na RS 374, entre Rio Grande e o balneário Cassino. O terreno começou a ser aterrado em 2013 e o evento da pedra fundamental foi em abril de 2014”.

Ao redor do shopping só havia o bairro Parque Residencial São Pedro. Hoje, há um condomínio em fase de distribuição de lotes e, em frente, está sendo finalizado um posto de combustível. “É importante destacar”, argumenta Michelle, “que, após a chegada do shopping, o bairro obteve uma valorização nos terrenos e casas. Entre as principais mudanças estão a criação da rua lateral, que facilitou o acesso dos carros, e a instalação de paradas de ônibus com iluminação adequada, visto que a RS 734 não possuía iluminação neste trecho”.

Esse é o primeiro shopping da cidade, e antes, para as compras, os rio-grandinos contavam com o centro da cidade e pequenos comércios nos bairros. Ainda, antes do mall, a cidade contava apenas com dois cinemas com infraestrutura antiga.

Quando o mall inaugurou, a aceitação positiva foi imediata. Os corredores ficaram lotados e o retorno do público era visível. “Recebemos mais de 280 mil visitantes nos primeiros dois meses. Temos uma ótima relação com o bairro vizinho. A comunidade é sempre nossa primeira convidada para eventos e ações sociais e culturais. Grande parte dos funcionários e clientes assíduos residem no bairro”, comenta ela.



West Shopping (RJ)

“A chegada do West Shopping, que este ano comemora 20 anos, foi um divisor não só para o bairro de Campo Grande, por ser o primeiro shopping da região, mas também para a Zona Oeste do Rio de Janeiro. Provocamos uma revolução no tradicional comércio local, e impulsionamos a economia do bairro com a geração de milhares de empregos diretos e indiretos e transformamos a rotina de compras, lazer, serviço e entretenimento dos moradores”, conta Fernando Araujo, empreendedor do West Shopping.

No espaço onde o shopping foi desenvolvido não havia nenhuma construção. O lugar era um imenso descampado, com áreas rurais. A empresa fez então diversas melhorias no local. “O nosso DNA, voltado para a construção civil e o desejo de fazer parte de uma transformação urbana, econômica e social foram nossos aliados durante todo esse processo”, conta Araujo.

O fluxo gerado pelo shopping incentivou outros empreendimentos a virem para o lugar, como diversos condomínios residenciais que estão sendo entregues. Houve também a implementação de novas linhas de transporte e de novas vias, que intensificaram o comércio. “Entendemos a importância do West Shopping e do seu legado para a região e acreditamos na sinergia entre empreendimento x clientes x bairro. Campo Grande cresceu e se desenvolveu junto com o shopping e temos gratidão pelo nível de envolvimento da comunidade”, finaliza.