Imprensa / Notícias do Setor / Espaço do Associado

13/03/2017



SHOPPING CENTER 3 PROMOVE EVENTO “REFUGIADOS, UM LAR CHAMADO SÃO PAULO”



Programação acontece nos meses de março, abril e maio e inclui participação de refugiados de vários países em feira étnica de arte e artesanato, shows de música e dança, exposição fotográfica, além de intervenção artística no coração AmoSP instalado de frente para a Avenida Paulista


 Os pedidos de refúgio no Brasil aumentaram mais de 2.000% entre 2010 e 2015. Neste período, foram reconhecidos como refugiados 8.863 pessoas de 79 nacionalidades distintas. Somente a guerra na Síria já expulsou de seu país mais de cinco milhões de pessoas, o que vem sendo considerado a pior crise humanitária do mundo em 70 anos. (*detalhes abaixo).


Atento a essa realidade, o Shopping Center 3 promove ao longo dos meses de março, abril e maio uma série de atividades envolvendo refugiados residentes em São Paulo, oriundos da Síria, Palestina, Senegal, Togo, Congo, Guiana Inglesa, Haiti, entre outros países. A iniciativa, batizada de “Refugiados, um larchamado São Paulo”, é realizada em parceria com a ONG Adus – Instituto de Reintegração do Refugiado, e inclui feira étnica de produtos e artesanatos, apresentações de música e dança, exposição fotográfica e uma intervenção artística em homenagem aos refugiados, criada ao vivo pelo artista plástico Blagojco Dimitrov, sócio da Galeria Myllery e que há 23 anos também chegou ao país na condição de refugiado.


 

“Estamos localizados em plena Avenida Paulista, um dos espaços mais plurais de São Paulo, e acreditamos que a integração e o respeito à diversidade são características que devem ser cada vez mais estimuladas em todos os locais, por isso decidimos, com este evento, contribuir para dar visibilidade não apenas ao drama dos refugiados, mas também à riqueza de suas culturas e costumes”, afirma a gerente de marketing do Shopping Center 3, Cecilia Hastings.


 Feira Étnica de Artes e Artesanato acontece de17 a 19 de março

No Lounge Center 3, no Piso Cinelândia, a feira contará com a participação de  expositores da Síria, Guiana Inglesa, Senegal, Togo, Nigéria, Haiti que apresentarão produtos típicos de seus países como  tecidos, luminárias, quadros, artigos em couro, perfumes, bonecas, bijouterias, lenços, turbantes e camisetas, entre outros objetos decorativos e acessórios. Entre os expositores estão pessoas como Noura Alkallas, que trabalhava em um escritório de contabilidade na Síria e, uma vez no Brasil, busca alternativas para reconstruir a vida, junto com o marido Younes (veja um breve perfil dos expositores no anexo).


Shows demúsica e dançaaos domingos, até 21 de maio

Sempre aos domingos, às 15h, na fachada principal de frente para a Avenida Paulista, o festival de música e dança dos grupos de refugiados mostrará a diversidade cultural. Entre os artistas e grupos que se apresentarão estão a Banda Senegal Sunugal (Senegal), Oula Al Saghir (Palestina) e Fady e Banda (Síria), entre outros.


Exposição fotográfica

Retratos em preto e branco de refugiados de vários países, ao lado de painéis informativos sobre a situação do refúgio no Brasil poderão ser vistos em todos os pisos do Center 3. O autor das imagens é o fotógrafo Felipe Grespan, e os personagens são refugiados assistidos por programas da ONG Adus.   

Escultura AmoSP acolhe refugiados, em uma criação do artista plástico Blagojco Dimitrov

Nascido na República Macedônia, o artista plástico Blagojco Dimitrov também chegou ao Brasil na condição de refugiado há 23 anos. Aqui, longe do campo de batalha, retomou sua vida e construiu uma trajetória sólida no mundo das artes. Sócio da Galeria Myllery, Dimitrov prestará uma homenagem aos refugiados, nos dias 15 e 16 de março, das 10h às 22h. Aovivo, ele fará uma intervenção natradicionalescultura AmoSP, em formato de coração e instalada na fachada do Center 3. O novo layout ganhará mãos de várias cores e retratará rostos dos passantes. “Será uma oportunidade de representar no coração de São Paulo a diversidade marcante que constitui a cidade”, afirma o artista.


 Serviço: “Refugiados, um lar chamado São Paulo” no Shopping Center 3:

Feira Étnica: de 17 a 19 de março, no Lounge Center 3, Piso Cinelândia

Intervenção com o artista plástico Blagojco Dimitrov: 15 e 16 de março, das 10h às 22h

 Shows de Música e Dança: Nos domingos, dias 19 e 26 de março, 02, 09 e 30 de abril, 7 e 21 de maio, sempre às 15h, na fachada da Avenida Paulista. Confira:

19 de março               Banda Senegal Sunugal (Senegal)

26 de março               Sempre Amigos Dança Árabe (Síria)

 2 de abril                    Os Escolhidos (Congo e outros países)

9 de abril                    Oula Al-Saghir (Palestina)

30 de abril                  Abdel Salam (Palestina)

7 de maio       Fady e banda (Síria)

21 de maio     nome do grupo a confirmar


Shopping Center 3: Avenida Paulista, 2064 – Cerqueira César

Tel.: (11) 3285-2458, www.shoppingcenter3.com.br


Mais informações à imprensa: CLARA Comunicação

Tel.:(11) 3667.9136, 3667.4065

E-mail: clara@claracomunicacao.com.br

 SAIBA MAIS:

*Pedidos de refúgio aumentam mais de 2.000%

De acordo com a Polícia Federal, o número de solicitações de refúgio no Brasil aumentou mais de 2.868% entre 2010 e 2015, indo de 966 para 28 mil. Neste período, foram reconhecidos como refugiados 8.863 pessoas de 79 nacionalidades distintas. Os principais grupos são compostos por oriundos da Síria (2.298), Angola (1.420), Colômbia (1.100), República Democrática do Congo (968) e Palestina (376). A guerra na Síria já expulsou de seu país mais de cinco milhões de pessoas, naquela que vem sendo considerada a pior crise humanitária do mundo em 70 anos. (Fontes: Polícia Federal, CONARE - Comitê Nacional para Refugiados, e ACNUR - Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados)


Sobre a ONG Adus

O Adus – Instituto de Reintegração do Refugiado, sediado em São Paulo, foi fundado em 2010 por um grupo de internacionalistas e pesquisadores do tema do refúgio, com o objetivo de atuar juntamente com solicitantes e refugiados pela sua valorização e reintegração à sociedade. A ONG disponibiliza aulas de português, qualificação profissional, auxilia na inserção no mercado de trabalho oferece suporte psicológico e elabora campanhas de conscientização, entre outras atividades.