Imprensa / Notícias do Setor / Notícias do setor

16/02/2017



PESQUISA DA ABRASCE TRAZ O PANORAMA DOS STRIP MALLS NO BRASIL


Embora ainda novo por aqui, esse segmento vem registrando forte evolução

Por Ticiana Werneck, da Abrasce


 

O conceito de strip malls no Brasil ainda é novo, mas diante de evolução desse modelo de negócio, a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) realizou a primeira pesquisa nacional para identificar onde estão estes empreendimentos, as principais características, e serviços oferecidos.

Assim como os empreendimentos dos Estados Unidos e da Europa, aqui os strip malls, normalmente, têm mix de lojas reduzido, são abertos, possuem estacionamento amplo e gratuito. Acima de tudo isso, a ideia é estar no meio do caminho do cliente e permitir uma compra rápida. Em linhas gerais, é um centro de conveniência, e não necessariamente de compras, onde agrega-se atividades sinérgicas, com estacionamento compartilhado.

A pesquisa da Abrasce focou na região Sudeste, onde esmiuçou as características técnicas de 59 strip malls. Descobriu que 44% deles estão em cidades com população entre 100 e 500 mil habitantes, e a Área Bruta Locável (ABL) média por shopping é de 1.685 m2.

“Na pesquisa, realizada por meio de formulário digital, foram fornecidas as principais características dos empreendimentos, como localização, porte e número de lojas. Também foram levantadas informações sobre a abertura dos malls aos domingos, tipos de serviço oferecidos e terceirização”, comenta o coordenador responsável pelo estudo, Huayna Perez.

Segundo Perez, nos próximos anos, o levantamento deverá ganhar as demais regiões e todo o território nacional. “Estimativas iniciais indicam que existem, atualmente, mais de mil empreendimentos nesse formato no Brasil”, conta.

Outra forma encontrada pela associação para manter constantemente esse modelo de negócio sob o radar, foi a criação de uma categoria de ?liação exclusiva para o segmento.

Para atender às demandas das empresas que atuam com os modelos de strip malls, a Abrasce iniciou um trabalho com as principais companhias para estruturar esse segmento e criou a categoria Strip Malls de filiação. “Foi uma demanda vinda deles, a proposta de trabalho dará maior proximidade com o segmento”, explica Sarah Batista, da área de Relacionamento com Associados da Abrasce. A ideia, segundo ela, é conceituar o modelo, e estudar a categoria – para identificar, assim, o tamanho e o potencial desse segmento no Brasil e ajudá-lo a se desenvolver. Ela conta que estão sendo realizadas reuniões mensais, de maneira a contribuir com os empreendedores nos contatos com fornecedores e varejistas. “A proposta é desenvolver melhor esse mercado, dar espaço para o debate dos grupos e colocar o segmento em evidência”, conta. “O modelo veio para fortalecer o setor”, avalia Sarah. 


Principais dados levantados pela pesquisa sobre os strip malls:

* possuem características em comum que os definem: fileira de lojas voltadas ao comércio varejista; administração centralizada; estacionamento localizado em frente às lojas; ausência de corredores cobertos que interligam as lojas; espaços que podem ser con?gurados em linha reta, em forma de “L” ou de “U”; ABL menor que 5.000 m2.

* são, geralmente, ancorados por um grande varejista, e possuem no mix uma forte oferta de serviços, como salão de beleza, loja de calçados, drogaria, papelaria, livraria, lanchonete, ?oricultura, pet shop, ótica e cafeteria.

• Têm, em média, 16 lojas

• Possuem estacionamento (em média com 63 vagas)

• Não costumam ter áreas de lazer ou quiosques

• Têm funcionamento similar aos shoppings convencionais, 90% abrem aos domingos


**

Confira mais aquiA pesquisa completa é divulgada exclusivamente aos associados da Abrasce