Imprensa / Notícias do Setor / Notícias do setor

14/09/2016



"ESTAMOS DIMINUINDO O PORTFOLIO E FOCANDO NOS ATIVOS DE ALTA QUALIDADE"


David Contis, presidente da Simon Malls, falou sobre as estratégias da maior empresa de malls do mundo para continuar crescendo



Por Ticiana Werneck

A Simon Malls possui 115 shoppings pelo mundo, um portfolio menor que alguns anos atrás, mas com um resultado financeiro melhor. Pois agora a estratégia é focar nos ativos de qualidade e alto rendimento.
“Diminuímos o portfólio e estamos concentrados em melhorar e expandir os malls que já temos”, contou o americano David Contis, presidente da Simon Malls, durante a manhã do Congresso Internacional de Shopping Centers.
Contis, que está nesse mercado há 35 anos, comentou que pelo mundo a empresa tem investido forte em transformar as propriedades, revitalizando espaços, mudando propósitos e aumentando metragens. “A depreciação é real no varejo. Se você não melhorar irá retroceder”, disse.
Entrevistado no palco pela jornalista Christiane Pelajo, Contis contou que tem sentido falta dos brasileiros em seus malls americanos. “Os brasileiros representam 10% das das nossas vendas americanas. Voltem para Miami! Sentimos a sua falta”, entre ele risos.
É justamente em Miami que a empresa vai inaugurar um shopping, após dez anos sem nenhuma inauguração em solo americano.
Enquanto as inaugurações minguaram, as transformações dos malls estão a todo vapor. Contis contou que em um shopping, o espaço anteriormente ocupado por uma Sears (que tem fechado muitas lojas, assim como a Macys e outras lojas de departamento) em um mall americano foi demolido e em seu lugar foi construído uma praça com lojas menores e restaurantes. “Um espaço que antes rendia US$20 milhões, hoje rende US$ 100 milhões”.
Questionado por Christiane sobre o que os brasileiros podem aprender com o mercado americano, Contis foi categórico: “Consolidação”. “O mercado americano estava saturado, tivemos muitas construções. Agora observamos um grande movimento no sentido das consolidações. Isso vai acontecer no Brasil também. Você pode escolher entre consolidar ou demorar”, finalizou.