Imprensa / Notícias do Setor / Notícias do setor

11/08/2016



"PRECISAMOS DE UM OLHAR DIFERENTE SOBRE A CIDADE DE SÃO PAULO”


João Doria Jr., candidato à prefeitura da maior capital do país, defende gestão eficiente durante café da manhã com empresários de shopping centers e lojistas

Por Renato Muller 

Gestão, avanço, modernidade, inovação. Essas foram algumas das palavras mais ouvidas pelos empreendedores e varejistas que participaram da primeira edição do ciclo de cafés da manhã com os candidatos à Prefeitura de São Paulo. A iniciativa, realizada pela ABRASCE, Associação Brasileira de Shopping Centers, em parceria com a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), sabatinou João Doria Jr, candidato do PSDB ao comando da maior cidade do país, que apresentou um discurso alinhado aos anseios de quem gera empregos, paga impostos e não se via representado na política.

“Faltam gestão e eficiência na gestão pública, e isso os empresários têm de sobra, porque é disso que mais precisamos para vencer em nossos negócios”, afirma João Doria Jr. “É preciso ter uma gestão eficiente do município para criar oportunidades e destravar a economia”, diz o empresário, para quem o setor privado precisa ensinar aos governos como fazer mais com os recursos que possuem. “Em vez de termos uma indústria da multa, precisamos desenvolver equipes e delegar tarefas. Não é possível administrar a cidade inteira a partir do Anhangabaú [onde fica a sede da Prefeitura], assim como não é possível administrar uma empresa nacional a partir de um único lugar. Por isso, queremos capilarizar e melhorar a gestão da cidade, reduzindo burocracia e estabelecendo metas de desempenho”, afirma.

Durante o café da manhã, o candidato defendeu a privatização de diversos negócios hoje geridos pela Prefeitura, como o Anhembi, os mercados municipais e o Autódromo de Interlagos. “Não é papel do poder público administrar autódromo ou centro de convenções. Precisamos de um olhar moderno para a gestão, passando para a iniciativa privada a operação desse tipo de negócio. Com certeza, a qualidade aumentará e mais impostos serão gerados para a cidade, que poderá se concentrar em saúde, educação e transportes”, explica Doria.

Questionado sobre a possibilidade de redução da burocracia hoje exigida para a abertura de lojas na cidade de São Paulo, o candidato afirma que a digitalização de processos e a integração das diversas secretarias de governo permitirão diminuir o tempo de espera do varejo pela aprovação de seus projetos. “Quero implementar o FacilitaSP, uma espécie de versão pessoa jurídica do Poupatempo [sistema do governo do Estado de São Paulo que concentra em um único lugar uma série de serviços públicos para atendimento aos cidadãos], para agilizar e simplificar o atendimento. Quanto mais burocracia se cria, mais possibilidade de corrupção existe e menos eficiente se torna a gestão pública. Precisamos de um olhar diferente, sem vícios”, comenta.

João Doria Jr. também defendeu a requalificação de áreas da cidade que têm uma forte vocação comercial, como o Brás e a 25 de Março, inclusive estimulando o desenvolvimento de shoppings populares, que utilizem espaços públicos para fomentar o consumo. “Hoje falta limpeza, manutenção e segurança, que é o que o setor público deveria oferecer. E não oferece porque tem um pensamento arcaico, do século passado. Vamos colocar São Paulo no século 21”, afirma o candidato.

Para Glauco Humai, presidente da ABRASCE, o café da manhã foi importante para construir um debate transparente com um possível futuro prefeito. “Nosso setor gera 150 mil empregos diretos, 300 mil indiretos e gera R$ 22 bilhões em vendas na cidade de São Paulo. A sabatina que fizemos ajudou a saber como uma possível gestão Doria pode ser parceira do crescimento econômico”, explica. “Reunimos representantes de lojistas e shopping centers, indo além das coisas do dia a dia, porque temos interesses em comum e precisamos trabalhar juntos para construir uma cidade melhor. Nas próximas edições do café da manhã traremos os demais candidatos para conhecer suas visões e enriquecer o debate com o setor público”, finaliza.