Imprensa / Notícias do Setor / Notícias do setor

09/08/2016



BANHEIROS DE SHOPPING: QUANDO PEQUENOS DETALHES FAZEM A DIFERENÇA



Entrevistamos uma especialista em design de varejo para entender os principais erros e acertos quando o assunto é banheiro público


Por Ticiana Werneck


 O que as pessoas menos gostam em banheiros públicos? Falta de privacidade, ventilação falha, acústica ruim, falta de acessórios como ganchos, prateleiras e espelhos, são apenas alguns dos itens da lista que a empresa global de arquitetura e design Gensler conseguiu reunir.

Um lugar que todos precisam ir, mas que muitas empresas resistem em investir. “E os banheiros são sim uma oportunidade a mais para o estabelecimento reforçar uma boa experiência”, lembra a especialista em design da Gensler, Maureen Mitchell Boyer.

Californiana, Maureen tem mais de 25 anos de experiência em projetos de arquitetura e design com foco em ambientes de varejo. Há dois anos, ela se mudou para São Paulo, onde assumiu o cargo de diretora no escritório da Gensler.  

 Para ela, todo projeto é uma oportunidade para mostrar respeito pelo frequentador inserindo detalhes que ele

valoriza. “É ter sensibilidade para entender a necessidade específica que ele tem naquele ambiente”, diz ela.

Por exemplo, especificamente para Maureen, um detalhe importantíssimo, no banheiro feminino, é ter onde apoiar a bolsa no balcão na hora de lavar as mãos. O normal é a mulher ter que segurar a bolsa ou apoiá-la no balcão molhado, enquanto lava as mãos. “Perdi a conta de quantas vezes molhei minha bolsa dessa forma”, comenta. Em sua opinião, este é um inconveniente fácil de evitar: a altura das cubas deve ser capaz de evitar que a água respingue no balcão. Um detalhe, portanto.     

Outro “detalhe” capaz de criar uma boa impressão é a correta iluminação, especialmente no banheiro feminino. Além de transmitir segurança, a luz é também uma prestação de serviço. “Não podemos esquecer que a ida ao banheiro, além de necessidade, é também um momento para se sentir bem consigo mesma”, comenta. Sendo assim, é possível fazer a diferença caprichando na luz próxima ao espelho, para que seja possível retocar a maquiagem sem esforço. Cadeiras ou bancos, quando o tamanho do banheiro permite, também contribuem para melhorar a experiência da visita. 

Em sua concepção, um “banheiro público bom” não é apenas um “banheiro bonito”, mas sim aquele que combina beleza, funcionalidade e praticidade. E aqui entram uma miríade de detalhes combinados. Como a trava da porta, sua altura e o vão entre ela e a parede – detalhes que atestam segurança e privacidade.

Como, também, os materiais a serem usados no projeto arquitetônico. “Eles devem ter características que os permitam serem limpos da maneira mais prática e rápida possível”, diz. Assim, a equipe de limpeza consegue mantê-lo sempre com a melhor aparência.

Aquela aparência capaz de causar a melhor impressão, assim como os de restaurantes chiques ou hotéis de luxo. Maureen se recorda de alguns banheiros públicos que já a impactaram, como o do aeroporto de São Francisco. “Aroma agradável, funcional e bonito, como todo banheiro público deve ser”, lembra.


(legenda: Projeto de banheiro público masculino da Gensler, marcado pela privacidade e estilo)



(legenda: O banheiro do aeroporto de São Francisco causou uma boa impressão em Maureen: alia funcionalidade à conveniência)