Imprensa / Notícias do Setor / Notícias do setor

30/05/2016



TECNOLOGIAS QUE OTIMIZAM A OPERAÇÃO DOS MALLS


Conheça algumas ferramentas tecnológicas usadas nos empreendimentos brasileiros tanto para otimizar a operação quanto para aproximar o  mall dos clientes

 

Mariane Rocigno

 

As inovações tecnológicas tornaram os processos mais eficientes nas empresas e permitiram uma maior interação com o consumidor. Na indústria de shopping centers não é diferente. Os empreendimentos contam com soluções como contadores de fluxo de pessoas, veículos motorizados que otimizam o trabalho dos profissionais de segurança, sistemas de intranet que estruturam a comunicação entre administradores e lojistas, estudos sobre hábitos de compra, e serviços de inteligência e equipamentos para a realização de promoções e ações de marketing.

            A revista Shopping Centers levantou alguns fornecedores das tecnologias em operação que facilitam os processos internos e, principalmente, aproximam o consumidor dos empreendimentos.  Confira.

 

Novas experiências

 

Uma das vantagens do varejo físico em relação ao virtual está no fato de que permite ao consumidor experimentar o produto in loco e checar se determinada peça de roupa, por exemplo, cai bem naquela pessoa. Mas se a loja em que este cliente estiver lhe proporcionar interagir com o conteúdo exposto pelo varejista por meio de uma grande tela, melhor ainda será a experiência. Essa tecnologia, mais fácil de ser vista em lojas fora do País, promete fincar raízes em território nacional.

Uma das fornecedoras desse produto é a On the Spot, do grupo Telefónica, que trouxe para o País soluções digitais para o varejo físico. Além das vitrines interativas, têm ferramentas de contagem de pessoas, que geram relatórios de fluxo de clientes nas lojas e suas diferentes seções, telas com catálogos virtuais para consulta de produtos, totens de pesquisa de satisfação, gerenciadores de filas, e ambientação musical das lojas.

De acordo com Antônio Saramago, country manager da companhia no País, além de registrar a quantidade de pessoas que entram no estabelecimento, é possível especificar os horários e áreas percorridas e ainda fazer uma leitura facial, identificando o sexo, faixa etária aproximada e o humor do cliente (se positivo ou negativo).  “Estamos entrando em toda a América Latina e o Brasil será nosso maior mercado", projeta Saramago.

 

Mapeamento on-line

Antes de um shopping começar a ser construído, é feito todo um estudo para checar a viabilidade, ou não, do empreendimento em questão. Isso envolve, entre outros fatores, entender o perfil dos moradores da área e da população circulante (que trabalha nas imediações) e conhecer o comércio já existente na região.

Soluções de geomarketing, como softwares de mapeamento on-line que tem mapas de todo o Brasil com informações detalhadas como quantas pessoas residem em uma determinada região, idade, faixas de renda, e principais pontos de interesse relacionados ao consumo, são aliados nesta missão. “As soluções de geomarketing são muito usadas também para expansão, mas elas fornecem informações importantes para a gestão do negócio”, comenta Valéria Duarte, diretora das áreas de desenvolvimento e atendimento da Geofusion, empresa de inteligência geográfica de mercado, fornece esses softwares de mapeamento. Segundo a empresa, conhecer melhor a região onde o shopping está inserido possibilita, por exemplo, fazer o gerenciamento das lojas e adequar os serviços oferecidos por cada empreendimento conforme o público que o cerca.

Outra fornecedora de ferramenta de geomarketing é a MapLink, que trabalha com análises georreferenciadas sobre bases próprias e de fontes públicas para visualização e segmentação dos dados em mapas. Segundo a empresa, a solução oferece a identificação de oportunidades para ações de marketing, insights para identificação de público-alvo, planos de expansão de franquias e avaliação de pontos comerciais para novas unidades. Outro sistema que a MapLink disponibiliza para o mercado de shopping centers é o Store Locator, que permite que os clientes localizem os pontos de venda com mais facilidade. A partir de uma busca, utilizando endereços, nome de estabelecimento ou categorias, entre outros, os pontos de vendas são exibidos no mapa, permitindo traçar uma rota de como chegar até o local desejado.

 

 

Planejamento e gestão

Entre as tarefas da administração de um shopping center está o acompanhamento e avaliação do desempenho das vendas das lojas e também o fluxo de pessoas. Uma das ferramentas disponíveis no mercado para ajudar nessa empreitada é a solução mobile chamada Group Shopping Quest, da Group Software. Trata-se de um sistema capaz de apresentar dados que proporcionam a análise de variáveis quantitativas e qualitativas em diversas formas de relatórios gerenciais. O software também coleta, processa, armazena, organiza, transmite e exibe dados sobre a movimentação comercial de lojas, equipe de vendas e venda total de um shopping center.

 

“O volume de informações coletadas no dia a dia de operação dos shopping centers é cada vez maior, por isso os gestores precisam ter acesso a uma ferramenta que consolide esses dados de uma forma fácil e rápida”, afirma o diretor executivo da Group Software, Rodrigo Monteiro.

 

Para administrar a rotina diária de um empreendimento há também outras tecnologias de apoio à gestão. A Victor & Schellenberger Sistemas de Informação, por exemplo, tem sistemas separados por categorias e os módulos básicos são voltados para a operação de rotina do shopping (faturamento, contas a receber e relatórios gerenciais). Os módulos financeiros englobam o controle orçamentário, contas a pagar e controle da tesouraria.

 

A terceira categoria, chamada materiais, permite o controle do processo de compras. Os programas executivos englobam os sistemas financeiro (de análise dos lojistas) e de marketing, que possibilitam a montagem de orçamentos do departamento e o controle on-line da apropriação de despesas e investimentos, por meio de autorizações de eventos e de despesas.

 

Relacionamento com o cliente – externo e interno

 

Estar constantemente em contato com o cliente, seja ele interno ou externo, é um dos fatores que ajuda a empresa a ter funcionários comprometidos e engajados e também consumidores fieis à marca. No caso de shopping centers, um exemplo de sistema que estrutura todo o relacionamento entre a administração do empreendimento e o lojista é a intranet criada pela Esperienza, agência especializada em shopping centers.

As informações, que geralmente se concentram em comunicados e formulários, ficam armazenadas na plataforma on-line, e além de facilitar a comunicação e aumentar a agilidade do dia a dia, o sistema tem um apelo de sustentabilidade. “Os shoppings estão deixando de gastar mais de 730 mil folhas de papel e isso representa dois milhões de litros de água” afirma Cassiano Antequeira, diretor da Esperienza. “A contagem de papel é feita para mostrar, também, quanto tempo o shopping perde com o processo burocrático manual”, completa.

A AM4 Internet de Resultados, especializada em soluções digitais, também realiza o planejamento de comunicação corporativa e B2C, utilizando diversos canais de forma integrada. O foco das ações está no relacionamento com o consumidor. Para isso, a empresa busca incluir o máximo de ferramentas interativas para que o shopping mostre o que tem a oferecer, alinhando todos os pontos de contato com o público. O trabalho vai desde a criação do plano de comunicação, desenvolvimento de websites e redes sociais, até a mensuração dos resultados. “Todo o processo é feito dentro de casa, nossas equipes cuidam de todas as fases das campanhas”, afirma Vinícius Luiz, business manager da AM4 São Paulo.

Ainda no quesito gestão de relacionamento com o cliente, outra fornecedora voltada ao mercado de shoppings é a CRMALL, que tem softwares que permite, entre outras funcionalidades, controlar campanhas de marketing. Um de seus produtos, o de gestão de banco de dados, desenvolve desde o processo de criação e estruturação do banco até sua manutenção e atualização periódica. O CRM integra todas as ações de relacionamento para que o tratamento seja personalizado de acordo com as preferências e hábitos de compra de cada consumidor, visando engajamento e aumento da rentabilidade do negócio.

 

Controle de promoções

            A preparação de uma campanha em um shopping center requer meses e meses de trabalho e envolve desde a elaboração da ação pela área de marketing até o acerto de todos os detalhes junto a todos os envolvidos. Promoção realizada, como dimensionar o sucesso da ação? Para isso, há prestadoras de serviço especializadas em campanhas promocionais, como a Alugainfo, que oferece softwares e hardwares para o controle das promoções. Desde a locação de equipamentos como computadores, tablets, painéis de LED, entre outros, até a instalação e treinamento dos profissionais.

Em meados de 2014, a empresa lançou um sistema, chamado Fila Rápida, capaz de registrar os cupons de promoção enquanto os clientes estiverem na fila para entregar as notas fiscais. De acordo com Leandro Ferreira, sócio-diretor da Alugainfo, “um funcionário passa ao longo da fila com um equipamento fazendo o cadastramento e imprime um tíquete com um único código que concentra todas as notas. Depois disso, é só o consumidor entregar o tíquete para validação. Isso agiliza muito o processo”. Segundo o executivo, o produto foi utilizado em mais de 300 postos de atendimento no Natal de 2014.

 

 

Soluções de pagamento

Hoje o que menos as pessoas querem é perder tempo. Por isso, toda tecnologia que favoreça a otimização de alguma tarefa, seja ela qual for, é sempre bem-vinda. Uma facilidade que muitos shopping centers brasileiros tem oferecido a seus frequentadores refere-se ao pagamento de estacionamento. Há, por exemplo, um aplicativo da NTK Solutions que permite ao usuário realizar o pagamento do estacionamento sem precisar passar pelos caixas. O cliente aproxima o código da câmera do celular para que o aparelho identifique informações como a hora da entrada, o tempo de permanência e o valor, que pode ser pago por meio de um cartão de crédito cadastrado. Além de agilizar o pagamento, o cliente ainda acumula pontos no programa de fidelização.

 

Beacons

Uma ferramenta que favorece a interação entre os centros de compra e os seus frequentadores são os beacons, tecnologia que funciona por meio de sensores que captam a presença dos consumidores desde as proximidades, até a entrada no shopping e o tempo de permanência. Com a visão do comportamento do consumidor é possível medir, monitorar e modificar as estratégias de marketing como o mix de lojas, oferta de produtos e serviços para atender às necessidades do cliente, melhorar seu envolvimento e, consequentemente, ampliar as vendas.

A Cosmotrak, representante da ShopperTrak no Brasil, oferece esse tipo de tecnologia, bem como a Linx, empresa de software de gestão para o varejo que, além de sistemas baseados em beacons, tem um aplicativo que possibilita ao frequentador do shopping center acessar a programação das salas de cinema e comprar os ingressos; gravar a localização do automóvel e realizar o pagamento do estacionamento; consultar a lista de lojas do centro comercial e fazer buscas por produtos; acessar o serviço de atendimento ao consumidor (SAC), além de obter informações sobre o horário de funcionamento e serviços oferecidos pelo mall, entre outras funções.


*Matéria publicada na revista Shopping Centers, da Abrasce