Imprensa / Notícias do Setor / Notícias do setor

19/05/2016



O QUE É FELICIDADE?


Considerado um dos gurus da psicologia positiva, Tal Ben-Shahar fala sobre a felicidade em entrevista exclusiva à revista Shopping Centers, da Abrasce

Por Renata Moreira*



Sempre é hora de fazer uma reflexão, se permitir dar um tempo para pensar na vida, o quem tem funcionado, o que pode ser melhorado... E é justamente para contribuir com essa reflexão que a revista Shopping Centers traz a  entrevista com uma das maiores autoridades mundiais quando o assunto é psicologia positiva: Tal Ben-Shahar.

    Ele é autor dos best-sellers “Choose the Life you Want” e     “Being Happy” – traduzidos para 25 idiomas –, e foi professor     de dois dos cursos mais concorridos na Universidade de     Harvard, um sobre psicologia positiva e outro sobre psicologia     da liderança (este chegou a ter mais de 1.400 alunos). Atleta     na juventude, Ben-Shahar é formado em filosofia e psicologia     pela Universidade de Harvard, na qual também obteve Ph.D.     em comportamento organizacional. Tanto nas aulas que hoje ministra no Interdisciplinary Center, em Israel, como nas palestras que faz mundo afora, ele fala sobre um dos temas mais buscados pela humanidade: o que é a felicidade e como encontrá-la.

Segundo ele, há três segredos para isso: realidade, realidade e realidade. “A questão não é ignorar os problemas nem tornar as coisas fáceis, mas saber como superar os obstáculos da melhor maneira”, comenta. “Todos têm problemas, seja no relacionamento pessoal ou no trabalho. Isso porque as pessoas não são perfeitas. E já que não existe ninguém perfeito, o importante é focar no que as pessoas têm de bom”, ressalta.

Em entrevista à Shopping Centers, o professor conta como entrou no campo da psicologia positiva, apresenta seu conceito de felicidade e oferece dicas para as empresas de como se tornarem mais produtivas por meio de funcionários mais felizes. Confira a seguir:

 

Revista Shopping Centers   Por que você escolheu estudar psicologia positiva?

Tal Ben-Shahar  Inicialmente, o que me levou a ter interesse por esse assunto foi minha experiência pessoal. Na época, eu ia bem como estudante de graduação em Harvard, era um atleta de ponta, tinha uma vida social boa, mas era infeliz. Foi então que percebi que para atingir determinados níveis de bem estar, as questões interiores importam mais do que as exteriores. Nessa época entrei na faculdade de psicologia. Depois de estudar psicologia positiva e os benefícios dela eu quis dividir o que aprendi com outras pessoas e comecei a ensinar.

Revista Shopping Centers  Na sua avaliação, qual a razão de tantos alunos terem frequentado suas aulas em Harvard?

Tal Ben-Shahar  Até recentemente, o tópico felicidade – que envolve como melhorar a qualidade de nossas vidas – vinha sendo dominado por uma psicologia pop. Em muitos seminários de autoajuda, e também em livros sobre o assunto, há muito carisma e diversão, mas há relativamente pouca profundidade. Eles prometem cinco rápidos passos para alcançar a felicidade, os três segredos do sucesso e quatro caminhos para encontrar seu amor perfeito. Essas são, geralmente, promessas vazias e com o tempo as pessoas passaram a ser descrentes de autoajuda. Por outro lado, temos a academia com artigos e pesquisas que são importantes, mas que não chegam para a maioria das famílias. Em minha avaliação, o papel da psicologia positiva – e o que minhas aulas fazem – é fazer a ponte entre a torre de marfim e a principal avenida, entre o rigor da academia e o prazer do movimento de autoajuda. E os estudantes são atraídos por esse tipo de aula porque eles sentem que faz uma real diferença em suas vidas.  

Revista Shopping Centers  E o que é felicidade para você?

Tal Ben-Shahar  Felicidade é a emoção que considera nossa completa e única natureza. Eu defino felicidade como a experiência geral de prazer e significado. Uma pessoa feliz desfruta de emoções positivas enquanto entende sua vida com um propósito. A definição não se refere a um momento único, mas ao conjunto das experiências de um indivíduo. Algumas vezes a pessoa pode passar por dores emocionais e ainda assim ser feliz, porque o que conta é o que leva de tudo o que vivenciou. Para levar uma vida feliz precisamos experimentar, o quanto for possível, a combinação de significado e prazer. Por exemplo, se eu achar meu trabalho importante, mas não prazeroso, não serei feliz fazendo isso e acabarei passando por um colapso. E se considero o que faço prazeroso, mas isso tem um significado pequeno para mim, rapidamente perderei o interesse por essa atividade.

Revista Shopping Centers  Atualmente as pessoas têm dificuldade de entender o que é felicidade e de serem felizes? Por quê?

Tal Ben-Shahar  Há um comum equívoco a respeito da relação entre felicidade e sucesso. A maioria das pessoas, consciente ou inconscientemente, acredita que o sucesso é a causa da felicidade (que é o efeito). Constata-se, contudo, que esse modelo está errado. O psicólogo Philip Brickman e seus colegas demonstraram que em um curto período de um mês vencedores de loterias voltam a seus níveis de bem-estar – se eles eram infelizes antes de ganhar o prêmio, eles continuariam assim. O psicólogo Daniel Gilbert ampliou esses resultados para mostrar como nós geralmente falhamos em prever nossos futuros estados emocionais. Achamos que comprando uma casa nova ou um carro maior, recebendo uma promoção ou um aumento salarial poderíamos ser mais feliz. De fato esses eventos apenas nos levam a um aumento temporário dos níveis de bem-estar, a uma breve experiência de emoções positivas. Mas tanto as pesquisas, quanto a maioria de nossas experiências pessoais, claramente demonstram que sucesso não traz felicidade e que o modelo mental que a maioria de nós temos é errado.

Revista Shopping Centers  Qual seria o modelo certo?

Tal Ben-Shahar  A relação oposta entre as duas variáveis é correta. Sucesso (efeito) ? felicidade (causa). Essa é uma importante descoberta, invertendo a relação de causa e efeito e corrigindo o equívoco que muitas pessoas têm. Esse engano leva muitos a escolherem os objetivos errados.

Revista Shopping Centers  O mesmo ocorre nas culturas orientais?

Tal Ben-Shahar  Atualmente, sim. E é um dos motivos por que há muita infelicidade em países como Japão, Singapura, Coreia do Sul e China.

Revista Shopping Centers  Em suas palestras, você diz que é importante errar. Por quê?

Tal Ben-Shahar  Não existem atalhos para o sucesso. As pessoas mais realizadas ao longo da história foram aquelas que se arriscaram e falharam muitas vezes. Precisamos aprender a falhar ou deixaremos de aprender.

Revista Shopping Centers  Qual a importância da psicologia positiva para as empresas?

Tal Ben-Shahar  As companhias que aumentam os níveis de felicidade de seus funcionários têm mais sucesso no longo prazo.

Revista Shopping Centers  Como os líderes podem criar um ambiente positivo?

Tal Ben-Shahar  Elencaria quatro pontos. 1. Ajudar os funcionários a identificarem e exercitarem seus pontos fortes. Pessoas que conhecem e usam seus pontos fortes são mais felizes, mais motivadas e mais bem sucedidas no ambiente de trabalho.
2. Oferecer o que o professor de Harvard, Amy Edmondson, chama de segurança psicológica, que é a confiança de que ninguém da equipe será humilhado ou punido se pedir ajuda ou falhar em uma tarefa específica. Quando líderes criam um clima de segurança psicológica, quando os funcionários sentem-se confortáveis para errar, dividir e discutir seus erros, todos os membros do time podem aprender e crescer. Por outro lado, quando as falhas são ocultadas, além de não aprender com a situação, aumenta-se a chance dos erros se repetirem.
3. Estimular os funcionários a fazer exercícios físicos regularmente. E não precisa de muito, 30 minutos, três vezes na semana, tem o mesmo efeito que os mais poderosos medicamentos psiquiátricos. O ambiente de trabalho será um lugar mais feliz, mais criativo e menos estressante se os colaboradores começarem a se exercitar.
4. Motivar a equipe a ter pausas regulares durante o dia e ter tempo para se recuperar quando estão em casa. Ficar o dia todo on não é positivo nem para o colaborador nem para a organização. “Mais” não significa necessariamente “melhor”. Precisamos recarregar nossas baterias psicológicas. Criatividade e produtividade, na realidade, diminuem quando não há tempo para a recuperação ao longo do dia (15 minutos de tempo de inatividade a cada hora), da semana (a cada duas semanas é necessário ao menos um dia de folga) e do ano (férias de verdade uma vez a cada seis ou doze meses).

Revista Shopping Centers  Para encerrar, como você encontra a felicidade?

Tal Ben-Shahar  A principal fonte para mim é a família. E também escrever e ensinar. E um conselho para quem quer ser feliz: volte para o básico, invista no tempo que passa com sua família e seus amigos. E mude a forma de encarar os fatos. Em vez de focar no que não está tão bom, a pergunta a ser feita é: O que está dando certo na sua vida?

 

*Matéria originalmente publicada pela Revista Shopping Centers, da Abrasce